No restaurante Bocados, em Ponte de Lima, todos os momentos são de prazer

0

É preciso fazer marcação, sabendo que a ementa depende do que houver no mercado em cada dia e confiando na mestria da chefe Palmira.

Em vez de restaurante, pense numa casa de família, cujos moradores (imagine-os parentes seus, para enfatizar o aspeto afetivo do acolhimento) gostam de receber e de cozinhar – o que fazem muito bem, inspirados nas tradições da região onde vivem, na periferia de Ponte de Lima, mas com a criatividade que lhes permite fazer bom uso das técnicas culinárias modernas, combinações de ingredientes inovadoras e pratos com apresentação cuidada. Assim é o restaurante Bocados: casa com jardim, sala acolhedora e ambiente familiar; ementa não fixa, nem escrita, sendo apenas comunicada oralmente no início da refeição; acesso mediante marcação prévia. Quem lá mora é o casal Palmira e José António, ela chefe por mérito próprio, ele anfitrião por natureza.

É um restaurante diferente dos outros, com uma cozinha de autor enraizada na gastronomia regional ou, talvez melhor, cozinha portuguesa adaptada aos dias de hoje, e uma espécie de menu de degustação com quatro ou cinco entradas e um prato principal a anteceder o doce remate das sobremesas. Tal como em casa, o que há é o melhor que se encontra no mercado, dia a dia, e só se revela na hora da refeição. Assim, nas entradas, têm sido servidos, ultimamente: tortilha de espargos e cogumelos, espargos assados com cachaço de porco fumado, escabeche de cavala ou de coelho, salmão com mousse de abacate e pérolas de gengibre, pimentos recheados com porco bísaro, bola de alheira e espinafres, bola de fumados com grelos, entrecosto de porco no forno e barriga de porco com mel e endívias caramelizadas. Nos pratos finais: feijoada do mar, bacalhau à Conde de Arca, coelho bravo com feijão, costela mendinha de vitela de raça minhota (cachena), codilho (pernil) de porco sem pele estufado em vinhão com cevadinha, e carrilhada de porco bísaro com esparguete de batata-doce e curgete. Estas e outras iguarias, entre as quais se destacam os pratos de época, como lampreia, sável e caça, distinguem-se tanto pela qualidade dos produtos como pelo apuro da confeção. O mesmo se diga da doçaria: pudim Abade de Priscos, leite-creme, pudim de tangerina do Convento de S. Francisco, por exemplo. A variedade do menu diário dá garantias de ter sempre coisas do nosso agrado. E a mestria com que são feitas compele-nos a fazer reserva com a alegria de quem telefona aos seus familiares para anunciar a próxima visita. Boa garrafeira.

No restaurante Bocados não há ementa fixa, nem escrita. Antes uma espécie de menu de degustação com quatro ou cinco entradas e um prato principal a anteceder o doce remate das sobremesas.

Bocados > Lugar dos Carreiros, Arca, Ponte de Lima > T. 258 942 501 > seg-sáb, por marcação > €29,50 (sem bebidas)

Fonte: Opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Comentários fechados.

Powered by themekiller.com