Município de Guimarães vai ser o primeiro município português a apresentar a pegada ecológica

0

A sessão de apresentação terá lugar no Laboratório da Paisagem, quinta-feira, 15 de Março, entre as 14h30 e as 16h30. A iniciativa surge no âmbito de um protocolo celebrado entre o Município de Guimarães, a Zero (ONGA) e a Global Footprint Network.

O Município de Guimarães vai ser o primeiro município português a apresentar a pegada ecológica de todo o seu território concelhio. A sessão de apresentação terá lugar no Laboratório da Paisagem, na próxima quinta-feira, 15 de março, entre as 14h30 e as 16h30. A iniciativa surge no âmbito de um protocolo, celebrado entre o Município de Guimarães, a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável e a Global Footprint Network, que prevê, para além do cálculo da pegada ecológica, o cálculo da biocapacidade e a introdução de uma calculadora digital para a pegada ecológica do cidadão. A sessão é aberta ao público em geral. A colaboração da Global Footprint Network com a ZERO – em parceira com a Unidade de Investigação GOVCOPP da Universidade de Aveiro e investigadores da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e da Faculdade de Direito da Universidade do Porto – pretende potenciar o desempenho nacional no contexto das cidades para este desafio global, e alargar os possíveis campos de aplicação desta ferramenta de avaliação e monitorização de sustentabilidade mundialmente reconhecida. Para serem resilientes e bem-sucedidos, os municípios precisam de encontrar formas de atuar e de proporcionar uma vida próspera aos seus cidadãos, dentro dos limites do planeta, e para isso é necessário tomar decisões mais informadas. Em 2011, Portugal detinha a 9ª Pegada Ecológica mais elevada entre 24 países do Mediterrâneo, com 3.3 hectares globais (gha) per capita, enquanto a sua biocapacidade era, para o mesmo período, de aproximadamente 1.5 gha per capita. Como podem as cidades e os governos locais de Portugal contribuir para atingir o objetivo de vivermos apenas com os recursos de 1 planeta, dentro de algumas décadas? Do processo negocial entre estas instituições e as autarquias envolvidas, resultou o projeto “Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses”, inovador à escala mundial, onde, para além do cálculo da Pegada Ecológica, existem mais três novidades: cálculo da biocapacidade ao nível da Comunidade Intermunicipal ou da Autarquia; proposta de realocação das verbas pelos diferentes Municípios tendo em conta a 
contribuição local para a biocapacidade nacional, e o seu peso na pegada nacional; instalação de calculadoras de Pegada Ecológica para os munícipes nos sites das autarquias participantes. Além da apresentação da Pegada Ecológica de Guimarães, por Sara Moreno Pires, da Universidade de Aveiro, a sessão incluirá a apresentação da ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, por Paulo Magalhães, coordenador do Projeto Pegadas Municípios Portugueses, a apresentação da Global Footprint Network, por Laetitia Mailhes, e a comunicação ”Guimarães Mais Verde”, por Isabel Loureiro, Coordenadora Executiva da Candidatura a Capital Verde Europeia 2020. Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, encerrará a sessão.Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com