Modelo de negócio da cereja exige um plano estratégico

0
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

No âmbito do Grupo Operacional da Cereja de Resende, vai decorrer no dia 7 de Dezembro, no auditório municipal de Resende, a sessão pública de apresentação dos resultados do 1º ano de projeto.

Nesta sessão, que enquadra os trabalhos realizados para a promoção e divulgação deste produto, serão oradores, para além do presidente da Câmara Municipal de Resende, Manuel Trindade, representantes da UTAD, da Dolmen, assim como diversos produtores nacionais e internacionais. Antes do debate e encerramento da sessão, José Martino, CEO da Ruris, empresa de desenvolvimento rural, irá abordar o tema “O modelo de negócio da cerejeira”, no contexto da região do Tâmega e Sousa. Para José Martino, o potencial da cereja em Resende exige um plano de negócios que concilie as melhores práticas de um modelo técnico económico com as alterações climatéricas, as variedades do produto e as condições e exigências dos mercados. É este plano estratégico que irá estar em debate em Resende, como forma de potencial o agroalimentar na região do Tâmega e Sousa.Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Comentários fechados.

Powered by themekiller.com