Produção de vinho na Beira Interior pode cair 15%

0

Produção de vinho na Beira Interior pode cair 15%

A produção de vinho na Beira Interior deve registar este ano um decréscimo face a 2015, mas a qualidade está salvaguardada, anunciou a Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI), com sede na Guarda.

“Estamos a prever uma quebra de 15%, mais ou menos, relativamente ao ano anterior, mas em termos de qualidade penso que estará salvaguardada”, disse esta terça-feira à Lusa o técnico da CVRBI Rodolfo Queirós, segundo cita o site da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal.

Segundo o responsável, em 2015 a produção de vinho tinto, equivalente a 65% da produção global e branco, que corresponde a 35%, foi de 22,5 milhões de litros e, este ano, as previsões apontam para menos cerca de três milhões. “Temos uma produção que em termos de necessidades de vinhos certificados satisfaz-nos mais do que suficiente. Em termos de qualidade, portanto, não direi que será um ano excepcional, mas é um ano bastante bom”, disse.

Rodolfo Queirós referiu que as vindimas estão a decorrer e o estado do tempo “tem ido de feição”, o que garante qualidade aos vinhos produzidos na Beira Interior.

Pouca chuva e míldio

O técnico da CVRBI justificou a esperada quebra na produção de vinho “essencialmente porque foi um ano irregular” em termos de chuva, “houve alguma chuva na altura da floração” e também devido ao aparecimento da doença do míldio, que está associada a climas húmidos.

A CVRBI abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco, onde existem 54 produtores de vinho, sendo cinco adegas cooperativas e 49 produtores particulares.

Agricultura e Mar Actual

Beira Interior 2016-10-05 Ana Cordeiro de SáLer Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com