Produção de pêra rocha com quebra de 20 por cento devido a fungo

0

A produção de pêra rocha vai ter uma quebra inesperada de 20 por cento devido a um fungo, disse esta quitna-feira, em Mafra, a associação representativa do sector, durante uma visita secretário de Estado da tutela a um pomar e uma central fruteira.

«As expectativas apontavam para um aumento de produção relativamente ao ano anterior. Infelizmente, este fungo, já muito em cima da colheita, fez com que haja uma quebra de 20 por cento em relação ao ano passado», afirmou Aristides Sécio, presidente da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha (ANP).

O dirigente alertou para as consequências económicas e sociais que este facto pode ter para o sector em geral, que emprega cinco mil pessoas todo o ano, um número que chega aos 15 mil na altura da colheita.

Depois de visitar um pomar e a central fruteira da organização de produtores Frutoeste, no concelho de Mafra, o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Vieira, anunciou à Lusa que a tutela vai criar «um grupo de acompanhamento, que junta o Instituto Nacional de Investigação Agrária, a Direcção Geral de Veterinária e Alimentação, o Centro Operacional e Tecnológico Hortofrutícola Nacional, a Direcção Regional de Agricultura e a ANP» para que estas entidades trabalhem em conjunto para encontrarem «uma solução para debelar este problema».

A campanha deste ano, de 2016/2017, cuja colheita termina dentro de duas semanas, não deverá ultrapassar as 100 mil toneladas, quando em 2015/2016 foi de 115 mil toneladas. O sector da pêra rocha pediu ainda a abertura de mais mercados para colmatar o problema do embargo russo aos produtos europeus.

Luís Vieira adiantou que foram já iniciados os processos técnicos necessários à abertura de mais doze mercados, entre os quais Perú, México, África do Sul, China, Índia e Indonésia aos produtos portugueses e a pera rocha será um dos primeiros a serem exportados.

A visita do secretário de Estado da Agricultura e Alimentação foi promovida pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, pela Federação Nacional das Organizações de Produtores de Frutos e Hortícolas e pela ANP.

Mais de metade da produção é exportada, tendo como principais mercados o Brasil (29.000), o Reino Unido (11.00), França (9.000), Marrocos (8.300l) e Alemanha (4.300).

A pêra rocha é produzida (99 por cento) nos concelhos entre Mafra e Leiria, numa área de cultivo de 11 mil hectares, sendo os concelhos de maior produção os do Cadaval e Bombarral.

A pêra rocha do Oeste possui Denominação de Origem Protegida, um reconhecimento da qualidade do fruto português por parte da União Europeia.

Fonte: Diáriodigital

Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com