Guimarães distinguido como um dos municípios mais sustentáveis em 2016

0

A Câmara Municipal de Guimarães foi distinguida por ser o terceiro município de Portugal mais sustentável de 2016, de acordo com um índice resultante dos 21 critérios de classificação do programa ECOXXI, que esta sexta-feira atribuiu, em Coimbra, bandeiras verdes de sustentabilidade a 43 autarquias. O galardão, promovido pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) e que comemora 10 anos, destina-se a premiar as boas práticas e políticas ambientais dos municípios portugueses.

Em 2015, na primeira vez que Guimarães se candidatou ao programa “Município ECOXXI”, ficou no 8º lugar com uma pontuação de 74% na classificação dos 21 indicadores. Este ano, sobe ao 3º lugar com quase 83% e já muito próximo do 1º lugar. Ao nível dos 21 indicadores que a ABAE analisa, a Autarquia de Guimarães está no topo na Gestão dos Resíduos, onde obteve a pontuação máxima (devido ao projeto pioneiro PAYT), Informação ao Munícipe, Educação Ambiental (PEGADAS) e Desenvolvimento Rural Sustentável (IBR).

«A atribuição desta ‘bandeira verde’ a Guimarães, e o terceiro lugar obtido a nível nacional, confirmam o valor das políticas municipais atuais, claramente orientadas para a construção de um território onde o desenvolvimento sustentável e a proteção do ambiente são fatores distintivos da nossa governação, pugnando pelo incremento dos índices de qualidade de vida dos nossos concidadãos», referiu Amadeu Portilha, Vice-Presidente do Município, logo após ter recebido o galardão.

Educação ambiental e trabalho em rede

Em 2016, foram submetidas 46 candidaturas (mais três do que em 2015) e 93,5% dos candidatos (43 em 46) alcançou índices acima dos 50%, percentagem limite para a atribuição da bandeira verde que distingue a adoção de boas práticas, políticas e ações ambientais em torno de temas considerados determinantes, tais como limpeza urbana, recolha de resíduos, reciclagem, água, participação ativa, conservação da natureza, educação ambiental, mobilidade, energia, turismo e ordenamento do território, entre outros.

«A melhoria substancial que obtivemos em cada um dos indicadores avaliados são o resultado objetivo do trabalho coletivo que está a ser feito na preparação da nossa candidatura a CVE2020, num esforço conjunto da Câmara Municipal, Universidade do Minho, Laboratório da Paisagem e dos vários parceiros envolvidos, numa demonstração inequívoca de que o trabalho colaborativo é o único caminho possível para superar obstáculos e constrangimentos e potenciar as nossas forças e capacidades», acrescentou Amadeu Portilha.

O índice “ECOXXI” sintetiza o resultado obtido em cada ano pelos municípios. Para além de uma ferramenta de gestão da sustentabilidade possibilitada pelos 21 indicadores e 54 sub-indicadores que o compõem, este programa da Associação da Bandeira Azul da Europa pretende traduzir o caminho a percorrer para atingir a meta dos 100%, ou seja, o percurso da sustentabilidade.

Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com