Fotos raras mostram tribo isolada na Amazónia que corre risco de desaparecer

0

Foram reveladas fotos únicas de uma tribo isolada em plena floresta Amazónia. Com uma população de cerca de cem pessoas, estes índios Moxihatetema, que nunca contactaram com forasteiros, estão ameaçados e correm o risco de desaparecer por completo.

As imagens aéreas foram captadas em Setembro passado, durante acções de supervisão de campos de mineiros ilegais, na floresta Amazónia, e foram divulgadas pela associação Survival International.

tribo-amazoniaPertencentes à tribo Moxihatetema, este grupo de índios isolados é um dos três do território indígena Yanomami, situado no norte do Brasil, perto da fronteira com a Venezuela, que não mantém contactos com forasteiros, aponta a associação.

A tribo não era vista há mais de um ano e as fotos são um bom sinal, porque ilustram que ainda resiste na Amazónia, mostrando uma casa comunitária que acolhe várias famílias.

Cada uma das secções quadradas que se veem acolhe uma família diferente com as suas redes para dormir, as suas reservas de comida e espaço para fazerem fogo.

A ameaça dos garimpeiros de ouro

O director da Survival International, Stephen Corry, destaca que “estas imagens extraordinárias” provam “a existência de ainda mais tribos isoladas” no mundo.

“Não são selvagens, mas sociedades contemporâneas e complexas cujos direitos têm que ser respeitados”, frisa, apontando que “todas as pessoas de tribos isoladas enfrentam a catástrofe a não ser que a sua terra seja protegida”.

“Sabemos que este grupo isolado está perigosamente próximo de mineiros de ouro ilegais e que a pequena equipa dedicada a proteger o território enfrenta severos cortes de orçamento”, salienta a directora de Campanha da Survival International, Fiona Watson, em declarações à FoxNews.

“Sem a adequada protecção, a exposição à violência ou doenças podem limpar por completo estas pessoas isoladas e altamente vulneráveis”, acrescenta.

O Território Indígena Yanomami foi criado, em 1992, como uma reserva de protecção das populações indígenas, mas a área é afectada pelo problema da exploração ilegal de minas de ouro. Estima-se que haja cerca de cinco mil garimpeiros na zona, o que aumenta as preocupações quanto à vida e preservação dos cerca de 22 mil Yanomami que lá vivem.

Os mineiros levaram para a zona doenças como a malária e poluíram as fontes de comida e de água dos Yanomami com mercúrio”, destaca a Survival International, denotando a “grave crise de saúde” que coloca em perigo estes nativos da Amazónia.

Também há relatos de episódios de violência contra os índios, como foi o caso do massacre de Haximu, em 1993, quando mineiros assassinaram 16 Yanomami e queimaram as suas casas comunitárias.

Temer fez cortes relevantes no orçamento

As autoridades brasileiras ainda não conseguiram resolver o problema da exploração ilegal de ouro e a Fundação Nacional Índia (FUNAI), que se dedica à preservação das culturas indígenas, debate-se com relevantes cortes orçamentais, decretados pelo presidente Michel Temer.

“O FUNAI fechou a sua base de campo nesta região, no ano passado, abandonando efectivamente os Moxihatetema“, destaca Fiona Wason, citada pelo The Guardian.

Crescem assim os receios de que esta e várias outras tribos possam desaparecer, colocando em causa também o futuro da própria floresta Amazónia que ficará mais exposta aos riscos da desflorestação.

Ler Artigo Original

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com