Conferência na Madeira aponta caminhos para os Jovens Agricultores

0

A visão da sociedade sobre a agricultura mudou de forma radical, assumindo hoje em dia um tom de optimismo, ambição e futuro. Estas foram as palavras mais ouvidas na Conferência Jovem Agricultor, que reuniu cerca de 300 pessoas na Madeira, a 25 de Novembro.

Os jovens agricultores portugueses contribuem com 20% do valor (VAB) da agricultura, apesar de representarem apenas 2% da população activa do sector, a percentagem mais baixa da União Europeia.

A Associação dos Jovens Agricultores de Portugal (AJAP) reuniu na Calheta, Madeira, um conjunto de conhecidas personalidades da vida política e empresarial portuguesa para discutir os novos horizontes e paradigmas dos jovens agricultores.

Marques Mendes, um histórico do PSD, afirmou que a agricultura é hoje “um sector em alta e com futuro e não apenas uma moda”, explicando que a crise alimentar de 2008 ajudou a criar um novo olhar sobre a agricultura, que voltou a estar na agenda política e social em Portugal.

Na qualidade de comentarista ao painel de debate, onde intervieram António Correia de Campos, Daniel Bessa, Augusto Mateus, Ângelo Correia, Maria do Céu Patrão Neves e Martim Avillez Figueiredo, Marques Mendes elencou as funções vitais da agricultura na sociedade portuguesa: ajuda ao crescimento económico do País, colmatando o défice alimentar nacional e contribuindo para o aumento das exportações, essencial à coesão do território e ao equilíbrio social, ajudando a fixar as populações no mundo rural.

Apesar do quadro optimista, os desafios dos jovens agricultores são muitos: custo da terra e capital, inovação, tecnologia, mercados, internacionalização, segurança alimentar e bem-estar animal, sustentabilidade e ambiente.

Novo patamar de exigência

A agricultura deu um salto qualitativo e está num novo patamar de exigência, mas continua a defrontar-se com fragilidades ao nível da tesouraria e da capacidade de gestão das empresas, reconheceu Gabriela Freitas, ex-gestora do PRODER, programa de Desenvolvimento Rural que antecedeu o actual PDR2020. “Os jovens agricultores precisam de ter no Governo um parceiro previsível, que canalize verbas para a tesouraria das empresas, porque não há investimento sem gestão de expectativas, ou seja, previsibilidade”, concretizou.

Ideia reforçada pelo director-geral da AJAP, Firmino Cordeiro, segundo o qual a agricultura é “uma actividade que exige investimentos avultados, com retornos mais ou menos longos, que precisa de quadros legislativos e de apoio ao investimento estáveis, que inclusive possam ultrapassar os ciclos políticos”.

A aposta na formação e qualificação das novas gerações é essencial, e na perspectiva da AJAP é necessário assegurar que os futuros agricultores permaneçam na actividade, agindo, para diminuir a elevada taxa de insucesso de muitos projectos de investimento, por falta de acompanhamento adequado aos jovens empreendedores. Este acompanhamento deve contemplar a definição de planos de longo prazo para os seus projectos, de forma a reduzir o encerramento das novas empresas agrícolas a níveis aceitáveis.

Importância do associativismo

Na Conferência esteve também presente o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, que sublinhou a importância do associativismo para defender as posições do sector perante as instâncias políticas nacionais e comunitárias. João Machado recordou que a Política Agrícola Comum (PAC) gasta apenas 1% do seu orçamento com a agricultura, quando os agricultores prestam um serviço inestimável aos cidadãos europeus, garantindo alimentos seguros e de qualidade, a um preço acessível. “Temos que lutar por mais Europa, por regras e políticas de tratados de comércio internacional mais coerentes com o que defendemos enquanto europeus – ambiente, bem-estar animal, segurança alimentar”, disse o Presidente da CAP.

Agricultura como serviço público

Perspectivando a PAC pós-2020, onde o sector vai lutar por manter o orçamento para a agricultura, o ex-ministro da Agricultura Arlindo Cunha, antecipou que possa vir a existir um terceiro pilar de apoios relativo ao pagamento dos bens públicos, ou seja, a compensação aos agricultores pelo serviço público prestado à sociedade: combate à desertificação, ordenamento do território, segurança alimentar, entre outros.

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, deixou uma mensagem de optimismo, lembrando que “Portugal terá todos os benefícios da posição periférica na Europa, se assumir o seu posicionamento geopolítico no Atlântico, explorando melhor as relações comerciais com o continente americano”.

Agricultura e Mar Actual

AJAP Madeira 2016-11-29 CarlosCaldeiraFonte do Artigo

Partilhar

Sobre o autor

Escrever Comentário

Powered by themekiller.com